16/ago

EDUCAÇÃO

Cada povo, em cada época, tem suas dificuldades específicas e suas necessidades. Nunca houve nem haverá um tempo em que as aspirações serão satisfeitas e nada mais haverá a fazer. O famoso psicanalista Lacan ensinou que buscamos a completude tendo certeza da incompletude. Em outras palavras, buscamos a solução para todos os problemas sabendo que sempre existirão problemas.

Assim, voltar nosso olhar para a busca de soluções e não para a busca de problemas é um caminho que, se jamais resolverá todas as questões, pacifica nosso íntimo e nos impulsiona.

Algumas das discussões sobre problemas atuais passam pela educação.

O que seria essa educação?

Algum conceito para o tema todos temos pois qualquer de nós facilmente classifica alguém como educado ou mal-educado, dizendo respeito aos seus bons ou maus modos de convívio. Esses modos de convívio são esperados por todos e elogiados por tantos, mas, onde os aprendemos?

O papel do Governo é fornecer a educação gratuita e de qualidade. A primeira característica – gratuita – digamos que se não é universal é muito mais fácil de atender que a segunda – de qualidade.

Não podemos esperar meramente das Prefeituras, dos Estados e do Governo Federal medidas que realmente sejam eficientes na oferta e execução da educação de qualidade. Tampouco podemos esperar de qualquer escola particular que seja a única responsável por oferecer essa educação de qualidade.

O que os pais, filhos, avós, irmãos, avós, tios, primos, sobrinhos temos feito para que a educação se dê com qualidade?

Se a sociedade está em constante modificação é inevitável que todos mantenhamos a atualização constante em meios e modos de nos manter efetivamente educados.

A educação de qualidade, antes de uma atribuição dos Governos, é uma responsabilidade de todos nós, apoiando educadores e escolas, lendo, criticando, mas, antes de qualquer coisa – participando.

Apenas assim, como foi na Coréia do Sul, ela poderá ser a sonhada educação de qualidade. Uma das formas nos ensinou o aclamado Paulo Freire, dizendo que “não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino.”

Escrito por: Fabiano Zica